segunda-feira, 25 de dezembro de 2017

No cenário da vida


No cenário da vida, todas as criaturas são convocadas a contribuir para o progresso coletivo, cada um participando com o dom ou talento que lhe caracteriza. Assim, é que uns contribuirão com sua voz, outros com sua inteligência, e outros ainda com sua boa vontade, de forma que, a harmonia universal é construída com o contributo de cada um. Infelizmente, os vícios e imperfeições humanas não deixam que o homem perceba qual o seu real papel no cenário da vida. Alguns há que, por orgulho ou timidez, que é uma forma velada de orgulho - na qual a criatura omite-se com receio de não brilhar como desejaria, ou de não ser tão eficiente quanto o parâmetro escolhido - recusam-se a participar, alegando falta de competência ou habilidade para tal. Outros, ao contrário, devido à omissão de muitos, participam além do desejável, desgastando-se e expondo-se além dos limites recomendados. Aquele que não participa das construções grupais, sejam elas de que natureza forem, desde que sejam para o bem coletivo, em principio, já prejudica a coletividade por manter uma atitude egoística, gerada pelo orgulho ou inércia. Mais grave do que essa atitude, no entanto, só a daquele que, por detrás do mutismo e da aparente concordância, mantém o pensamento critico, mordaz ou destrutivo, impregnando o ambiente com as energias da desagregação e do insucesso. Essas criaturas são seres aparentemente pacíficos e calmos que se infiltram nos grupos de boa vontade, mais pelo desejo de conferir suas potencialidades e comparar-se mentalmente com aqueles rotulados de excelentes, do que de servir e ajudar. Certamente, que a caridade e a complacência recomendam-nos a tolerância e o acolhimento a todas as criaturas, mas ainda assim, é preciso primeiro zelar pelo bem da maioria e permanecer atento para detectar esse tipo de comportamento em cada um de nós. Ao primeiro sinal de amuo, má vontade, inveja e competição nos trabalhos grupais, recolhamo-nos na oração, na reflexão, no pedido de ajuda sincero aos amigos bondosos da espiritualidade superior, para que o desejo de colaborar, participando, nos contagie, contagiando aos outros também.

Deus Nosso Pai

Honrar nosso pai é honrar também a Deus. O nosso Pai de Infinita Bondade. No instituto doméstico, os filhos amadurecidos na experiência honorificam os pais, através das obrigações executadas no lar. 
 Na residência planetária, os filhos de Deus, edificados na compreensão de Suas Leis, dignificam o Todo-Misericordioso por intermédio dos deveres retamente cumpridos, diante da humanidade nos caminhos do mundo. 
 Amamos a Deus na pessoa do próximo. Comecemos o exercício dessa abnegação que nos proporcionará o necessário acesso à Luz Divina. Fomos feridos nas tarefas cotidianas? 
Saibamos esquecer as ofensas do companheiro que ainda ignora as conseqüências do mal. Golpes de injúria desceram sobre nós, procurando exterminar-nos a esperança e a coragem?
 Entendamos a inexperiência daqueles que desconhecem a força da sobra que desencadeiam para si mesmos e continuemos a colaborar no levantamento do bem de todos. Quem vem lá, faminto ou desesperado, tentando encontrar socorro e consolação? 
 Pausemos para servir porque é nosso familiar que nos bate à porta, suplicando asilo e compreensão. Que pensar do infeliz que passa na via pública enxovalhado por sarcasmo e condenação? 
 Nenhuma dúvida paira em nosso espírito quanto ao imperativo de entendê-lo e auxiliá-lo porquanto ele é nosso irmão pela Paternidade Divina e espera por nosso devotamento. 
 Deus, o Senhor Supremo da Vida, o Pai que nos recebe diariamente os protestos de fidelidade e de amor conta em verdade conosco e em verdade precisa de nós. Espera confiantemente sejamos o amparo aos desajustados, a fortaleza dos fracos, a energia dos fatigados, a benção dos que foram lançados à solidão. 
 Deus necessita de nós e deseja recebermos a cooperação ainda que humilde. Envia-nos os necessitados de toda espécie e de todas as procedências para que Lhe representemos a Providência Divina. 
 Em toda parte, é possível receber esse mandato sublime e desempenhá-lo. É por isso que Jesus, o filho mais altamente consagrado ao Supremo Senhor que a Terra já conheceu, assim se expressou fazendo-nos sentir que Deus está conosco e espera por nós em todas as circunstâncias: "Todo o bem que fizerdes no mundo ao último dos pequeninos, em verdade, é a mim que o fizestes."  

Pelo Espírito BATUÍRA 
Psicografia: Francisco Cândido Xavier

quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

Ante o Natal


A esperança se agiganta. A Natureza se renova e brilha. A passarada feliz. Voa feliz, vibra e canta. O berço pobre, A estrela que rebrilha, O jardim que encanta. As flores brilham. Que maravilha! É Jesus que vem de novo, Falar de Deus ao coração do povo, Com a sua palavra que reluz! Saúdam-se os cristãos de toda a Terra, É o domínio da paz, banindo a guerra! É o Senhor! É Jesus.. Sempre Jesus! 

 Chico Xavier. Pelo Espírito Maria Dolores.

A escolha das provas (palestra)


Como aproveitar bem o passe (palestra)


Posturas espírita (palestra)


Reencarnação e os laços de família (palestra)


Sono e sonhos (palestra)


Frustração e maturidade emocional (palestra)


Bem aventurados os brandos e pacíficos (palestra)