segunda-feira, 1 de maio de 2017

Melindres


Não permita que suscetibilidades lhe conturbem o coração. Dê aos outros a liberdade de pensar tanto quanto você é livre para pensar como deseja. 
Cada pessoa vê os problemas da vida em ângulo diferente. Muita vez, uma opinião diversa da sua, pode ser de grande auxílio em sua experiência ou negócio, se você se dispuser a estudá-la.
 Melindres arrasam as melhores plantações de amizade. Quem reclama agrava as dificuldades. 
Não cultive ressentimentos. 
Melindrar-se é um modo de perder as melhores situações. Não se aborreça, coopere. 
Quem vive de se ferir acaba na condição de espinheiro.

Cativar (música)


Responsável, tú és, pelo que cativou... ♫

Ao longo...

Ao longo da vida, por muitas vezes, quando vc perdeu a confiança espiritual, mãos invisíveis sustentaram o seu coração. 
Em muitas noites tristes, sem que vc soubesse, presença invisíveis o levaram espiritualmente para outros planos...lá, vc foi banhado na luz! 
E, depois foi trazido de volta para o corpo físico e acordou melhor, sem saber como e porque. 
Outras vezes, em momentos difíceis, vc foi amparado secretamente para resistir aquela prova e superá-la, e vc não percebeu.
 Muitas vezes vc perdeu fé, por um motivo ou outro e, mesmo assim mãos invisíveis lhe apoiaram... 
E, nas vezes em que vc se renovou e quis voltar aos caminhos da luz, o plano espiritual não perguntou dos seus motivos...apenas lhe aceitou de volta, incondicionalmente. 
Uma semana repleta de paz, saúde, paciência e prosperidade para todos nós... Um bom dia! 

sábado, 29 de abril de 2017

Jesus veio


 "Mas aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens." 
Paulo. (FILIPENSES, 2: 7.) 

Muitos discípulos falam de extremas dificuldades por estabelecer boas obras nos serviços de confraternização evangélica, alegando o estado infeliz de ignorância em que se compraz imensa percentagem de criaturas da Terra. Entretanto, tais reclamações não são justas. Para executar sua divina missão de amor, Jesus não contou com a colaboração imediata de Espíritos aperfeiçoados e compreensivos e, sim, "aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens". Não podíamos ir ter com o Salvador, em sua posição sublime; todavia, o Mestre veio até nós, apagando temporariamente a sua auréola de luz, de maneira a beneficiar-nos sem traços de sensacionalismo. 
O exemplo de Jesus, nesse particular, representa lição demasiado profunda. Ninguém alegue conquistas intelectuais ou sentimentais como razão para desentendimento com os irmãos da Terra. Homem algum dos que passaram pelo orbe alcançou as culminâncias do Cristo. No entanto, vemo-lo à mesa dos pecadores, dirigindo-se fraternalmente a meretrizes, ministrando seu derradeiro testemunho entre ladrões. 
Se teu próximo não pode alçar-se ao plano espiritual em que te encontras, podes ir ao encontro dele, para o bom serviço da fraternidade e da iluminação, sem aparatos que lhe ofendam a inferioridade. Recorda a demonstração do Mestre Divino. Para vir a nós, aniquilou a si próprio, ingressando no mundo como filho sem berço e ausentando-se do trabalho glorioso, como servo crucificado.

Pelo Espírito EMMANUEL 
Psicografia Francisco Cândido Xavier

O cansaço

Quando te sintas sitiado pelo desfalecimento de forças ou o cansaço se te insinue em forma de desânimo, pára um pouco e refaze-te.
 O cansaço é mau conselheiro. Produz irritação ou indiferença, tomando as energias e exaurindo-as. Renova a paisagem mental, buscando motivação que te predisponha ao prosseguimento da tarefa. Por um momento, repousa, a fim de conseguires o vigor e o entusiasmo para a continuidade da ação.
 Noutra circunstância, muda de atividade, evitando a monotonia que intoxica os centros da atenção e entorpece as forças. Não te concedas o luxo do repouso exagerado, evitando tombar na negligência do dever. 
Com método e ritmo, conseguirás o equilíbrio psicológico de que necessitas, para não te renderes à exaustão. Jesus informou com muita propriedade, numa lição insuperável, que "o Pai até hoje trabalha e eu também trabalho", sem cansaço nem enfado.
 A mente renovada pela prece e o corpo estimulado pela consciência do dever não desfalecem sob os fardos, às vezes, quase inevitáveis do cansaço. Age sempre com alegria e produze sem a perturbação que o cansaço proporciona. 

 Pelo Espírito: Joanna de Ângelis 
Psicografia: Divaldo Pereira Franco

Cuidando do corpo


Deepak Chopra é médico formado na Índia, com especialização em Endocrinologia nos Estados Unidos, onde está radicado desde a década de setenta. 
Filósofo de reputação internacional, já escreveu mais de três dezenas de livros, sendo um dos mais respeitados pensadores da atualidade. 
A respeito do ser humano saudável, ele escreveu: Somos as únicas criaturas na face da Terra capazes de mudar nossa biologia pelo que pensamos e sentimos! Nossas células estão constantemente bisbilhotando nossos pensamentos e sendo modificadas por eles. Um surto de depressão pode arrasar nosso sistema imunológico. Apaixonar-se, ao contrário, pode fortificá-lo tremendamente. A alegria e a realização nos mantêm saudáveis e prolongam a vida. A recordação de uma situação estressante, que não passa de um fio de pensamento, libera o mesmo fluxo de hormônios destrutivos que o estresse. 
Nossas células estão constantemente processando as experiências e metabolizando-as, de acordo com nossos pontos de vista pessoais. Quando nos deprimimos por causa da perda de um emprego, projetamos tristeza por toda parte no corpo. A produção de neurotransmissores, por parte do cérebro, se reduz. Baixa o nível de hormônios. O ciclo de sono é interrompido. As plaquetas sanguíneas ficam mais viscosas e mais propensas a formar grumos. Os receptores neuropeptídicos, na superfície externa das células da pele, se tornam distorcidos. E, até nossas lágrimas passam a conter traços químicos diferentes das lágrimas de alegria. Contudo, nosso perfil bioquímico é alterado, quando nos encontramos em nova posição. A ansiedade por causa de um exame acaba passando, assim como a depressão por causa de um emprego perdido. Assim, se desejamos saber como está nosso corpo hoje, basta que nos recordemos do que pensamos ontem. Se desejamos saber como estará nosso corpo amanhã, será suficiente que examinemos nossos pensamentos hoje. Abrir nosso coração para a alegria, às coisas positivas é medida salutar. Se desejamos gozar de saúde física, principiemos a mudar nossa maneira de pensar. Não foi por outro motivo que o Celeste Médico das nossas almas, conhecedor profundo de todas as leis que regem nosso planeta, foi pródigo em exortações como: Não vos inquieteis, dizendo: "Que comeremos" ou "Que beberemos", ou "Que vestiremos"? Pois estas coisas os gentios buscam. De fato, vosso Pai Celestial sabe que necessitais de todas estas coisas. Portanto, não vos inquieteis com o amanhã, pois o amanhã se inquietará consigo mesmo! Basta a cada dia o seu mal. Com isso, recomendava que não nos deixássemos abraçar pela ansiedade. E mais: Andai como filhos da luz. Ora, os filhos da luz iluminam, vibram positivamente, porque luz tem a ver com tudo de bom. Pensemos nisso e cultivemos saúde física. Afinal, necessitamos de um corpo saudável para bem atender os compromissos que nos cabem. Que se diria de quem não cuidasse de seu instrumento de trabalho?

Prece do Pão

Senhor! 
Entre aqueles que te pedem proteção, estou eu também, servo humilde a quem mandaste extinguir o flagelo da fome. Partilhando o movimento daqueles que te servem, fiz hoje igualmente o meu giro. 
Vi-me frequentemente detido, em lares faustosos, cooperando nas alegrias da mesa farta, mas vi pobres mulheres que me estendiam, debalde, as mãos !... 
Vi crianças esquálidas que me olhavam ansiosas, como se estivessem fitando um tesouro perdido. 
Encontrei homens tristes, transpirando suor, que me contemplavam agoniados, rogando em silêncio para que lhes socorresse os filhinhos largados ao extremo infortúnio... Escutei doentes que não precisavam tanto de remédio, mas de mim, para que pudessem atender ao estômago torturado!  Vi a penúria cansada de pranto e reparei, em muitos corações desvalidos, mudo desespero por minha causa. Entretanto, Senhor, quase sempre estou encarcerado por aquelas mesmas criaturas que te dizem honrar.
 Falam em teu nome, confortadas e distraídas na moldura do supérfluo, esquecendo que caminhaste no mundo, sem reter uma pedra em que repousar a cabeça. 
Elogiam-te a bondade e exaltam-te a glória, sem perceberem junto delas, seus próprios irmãos fatigados e desnutridos. E, muitas vezes, depois de formosas dissertações em torno de teus ensinos, aprisionam-me em gavetas e armários, quando não me trancam sob a tela colorida de vitrines custosas ou no recinto escuro dos armazéns. 
Ensina-lhes, Senhor, nas lições da caridade, a dividir-me por amor, para que eu não seja motivo à delinquência. E, se possível, multiplica-me, por misericórdia, outra vez, a fim de que eu possa aliviar todos os famintos da Terra, porque um dia, Senhor, quando ensinavas o homem a orar, incluíste-me entre as necessidades mais justas da vida, suplicando também a Deus: "O pão nosso de cada dia dai-nos hoje." 

Pelo Espírito: MEIMEI 
Psicorafia: Francisco Cândido Xavier

Esforço e Oração

  
"E, despedida a multidão, subiu ao monte a fim de orar, à parte. E, chegada já a tarde, estava ali só." 
(MATEUS, 14: 23)  
   
De vez em quando, surgem grupos religiosos que preconizam o absoluto retiro das lutas humanas para os serviços da oração. Nesse particular, entretanto, o Mestre é sempre a fonte dos ensinamentos vivos. 
O trabalho e a prece são duas características de sua atividade divina. Jesus nunca se encerrou a distância das criaturas, com o fim de permanecer em contemplação absoluta dos quadros divinos que lhe iluminavam o coração, mas também cultivou a prece em sua altura celestial.
 Despedida a multidão, terminado o esforço diário, estabelecia a pausa necessária para meditar, à parte, comungando com o Pai, na oração solitária e sublime. Se alguém permanece na Terra, é com o objetivo de alcançar um ponto mais alto, nas expressões evolutivas, pelo trabalho que foi convocado a fazer. E, pela oração, o homem recebe de Deus o auxílio indispensável à santificação da tarefa. Esforço e prece completam-se no todo da atividade espiritual. A criatura que apenas trabalhasse, sem método e sem descanso, acabaria desesperada, em horrível secura do coração; aquela que apenas se mantivesse genuflexa, estaria ameaçada de sucumbir pela paralisia e ociosidade. 
A oração ilumina o trabalho, e a ação é como um livro de luz na vida espiritualizada. Cuida de teus deveres porque para isso permaneces no mundo, mas nunca te esqueças desse monte, localizado em teus sentimentos mais nobres, a fim de orares "à parte", recordando o Senhor.

Pelo Espírito EMMANUEL 
Psicografia Francisco Cândido Xavier

sexta-feira, 31 de março de 2017

Dinheiro

O dinheiro não é luz, mas sustenta a lâmpada. 
Não é a paz, no entanto, é um companheiro para que se possa obtê-la. Não é calor, contudo, adquire agasalho. Não é o poder da fé, mas alimente a esperança. 
Não é amor, entretanto, é capaz de erguer-se por valioso ingrediente na proteção afetiva. 
Não é tijolo de construção, todavia, assegura as atividades que garantem o progresso. 
Não é cultura, mas apóia o livro. Não é visão, contudo, ampara o encontro de instrumentos que ampliam capacidade dos olhos. 
Não é base da cura, no entanto, favorece a aquisição do remédio. Em suma, o dinheiro associado a consciência tranqüila, alavanca do trabalho e fonte da beneficência, apoio da educação e alicerce da alegria, é uma benção do Céu que, de modo imediato, nem sempre faz felicidade, mas sempre faz falta. 

Pelo Espírito BEZERRA DE MENEZES 
Psicografia de Francisco Cândido Xavier

Fé e Caridade


Dizem que toda pessoa de fé viva sofre, incessantemente, nas obras da caridade, em nome do Cristo, no entanto, vale explicar porque isso acontece. 
Espíritos pessimistas aceitam a derrota de quaisquer iniciativas, antes de começa-las. 
Egoístas moram nas próprias conveniências. 
Tíbios desrespeitam as horas. 
Frívolos vivem agarrados à casca das situações e das coisas. Oportunistas querem vantagens e lucros imediatos. 
Vaidosos desconhecem, propositadamente, a necessidade dos outros. Impulsivos criam problemas. 
Toda pessoa, porém, que confia no Cristo é, conseqüentemente, alguém que procura servir, assimilando-lhe exemplos e lições, e, por isso mesmo, é indicada por Ele ao trabalho do bem, de vez que chamar preguiçosos e indiferentes não adianta. 

Pelo Espírito: ANDRÉ LUIZ 
Psicografia: Francisco Cândido Xavier 
Livro: "Ideal Espírita"

Rogando Paz

Senhor Jesus! Tu disseste: "a minha paz vos dou ..." Entretanto, Senhor, Muitos de nós andamos distraídos; Atribulados, às vezes, por bagatelas; Aflitos sem razão; Sequiosos de aquisições desnecessárias; Irritadiços por dificuldades passageiras; Dobrados ao peso de cargas formadas por desilusões e discórdias que nós mesmos inventamos; Ocupados em dissenções infelizes; Hipnotizados por tristeza e azedume que nos inclinam à separatividade e ao pessimismo... 
Entendemos, sim, Jesus, que nos disseste: - "A minha paz vos dou..." Diante, porém, de nossas inibições e obstáculos, nós te rogamos, por acréscimo de misericórdia: - Senhor, concedeste-nos a paz, no entanto, ensina-nos a recebé-la. 

Pelo Espírito EMMANUEL 
Psicografia: Francisco Cândido Xavier

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

No cenário da vida


No cenário da vida, todas as criaturas são convocadas a contribuir para o progresso coletivo, cada um participando com o dom ou talento que lhe caracteriza. Assim, é que uns contribuirão com sua voz, outros com sua inteligência, e outros ainda com sua boa vontade, de forma que, a harmonia universal é construída com o contributo de cada um. Infelizmente, os vícios e imperfeições humanas não deixam que o homem perceba qual o seu real papel no cenário da vida. Alguns há que, por orgulho ou timidez, que é uma forma velada de orgulho na qual a criatura omite-se com receio de não brilhar como desejaria, ou de não ser tão eficiente quanto o parâmetro escolhido recusam-se a participar, alegando falta de competência ou habilidade para tal. Outros, ao contrário, devido à omissão de muitos, participam além do desejável, desgastando-se e expondo-se além dos limites recomendados. Aquele que não participa das construções grupais, sejam elas de que natureza forem, desde que sejam para o bem coletivo, em principio, já prejudica a coletividade por manter uma atitude egoística, gerada pelo orgulho ou inércia. 
Mais grave do que essa atitude, no entanto, só a daquele que, por detrás do mutismo e da aparente concordância, mantém o pensamento critico, mordaz ou destrutivo, impregnando o ambiente com as energias da desagregação e do insucesso. Essas criaturas são seres aparentemente pacíficos e calmos que se infiltram nos grupos de boa vontade, mais pelo desejo de conferir suas potencialidades e comparar-se mentalmente com aqueles rotulados de excelentes, do que de servir e ajudar. 
Certamente, que a caridade e a complacência recomendam-nos a tolerância e o acolhimento a todas as criaturas, mas ainda assim, é preciso primeiro zelar pelo bem da maioria e permanecer atento para detectar esse tipo de comportamento em cada um de nós. 
Ao primeiro sinal de amuo, má vontade, inveja e competição nos trabalhos grupais, recolhamo-nos na oração, na reflexão, no pedido de ajuda sincero aos amigos bondosos da espiritualidade superior, para que o desejo de colaborar, participando, nos contagie, contagiando aos outros também.

Em Ti

Porque te acontecem coisas desagradáveis e nem tudo corra conforme gostarias que sucedesse, não te creias fora do auxílio de Deus. 
Ninguém que siga ao desamparo divino. O que ocorre de prejudicial, neste momento, bendirás depois. 
O insucesso de agora se transformará em bênção mais tarde, se souberes esperar superando este momento. 
Deus está em toda parte, e, obviamente, em ti e contigo também. Procura encontrá-lo, não somente nas ocorrências ditosas, senão em todos os fatos e lugares. 
O desafio da evolução é proposta de vida a ser conquistada por cada um em particular, e por todos em geral. 
Intenta retirar o melhor proveito do aparente insucesso, que se converterá em lição preciosa em teu favor, quando de outros cometimentos. 
O homem é templo de Deus, qual ocorre com a Natureza. Reserva-te a satisfação de ser cada dia melhor do que no anterior, de forma que Ele em ti habite e, sentindo-o, conscientemente, facultes que outros indivíduos também o encontrem.
 Assim, não te concedas idéias perniciosas, nem te proponhas frustrações ou amarguras dispensáveis, no teu programa de redenção.

Pelo Espírito: JOANNA DE ÂNGELIS 
Psicografia: Divaldo Pereira Franco.

Coerência e firmeza


Comporta-te com a mesma firmeza e dignidade, quando a sós ou na multidão, no lar ou fora dele. 
O homem de bem é sempre o mesmo, não possuindo duas faces morais. Trabalhando-te interiormente, fixarás os ideais de enobrecimento nos atos, que se exteriorizarão, sempre iguais, nas mais variadas situações. 
O homem consciente das suas responsabilidades tem uma só conduta, seja na vida privada ou na pública, caracterizando-se pela retidão, que lhe expressa a grandeza do ideal esposado. 
Se adquires o hábito da dissimulação, em breve derraparás na hipocrisia e na pusilanimidade. Exercitando-te na concentração dos pensamentos superiores, eles fluirão pelos teus atos no lar, no serviço e nas horas de recreio. 
O lar é a sociedade miniaturizada nas fronteiras domésticas. Aí se forjam os valores indispensáveis para o crescimento intelecto-moral do indivíduo, preparando-o para o mundo. 
Sê refratário à lisonja. Prefere uma verdade ácida a uma mentira adocicada. O lisonjeador é desonesto com aquele a quem elogia. Interrompe-lhe a insinuação perturbadora, que te atribui valores que não possuis. Sê, então, coerente, em todos os atos, não amparando o vício, nem passando recibo em favor da fraude, das posturas reprocháveis. Talvez não mudes o mundo. Se, no entanto, te tornares melhor, o mundo se terá renovado com disposições superiores para o fanal da fraternidade e da paz. 

Espírito: JOANNA DE ÂNGELIS 
Psicografia: Divaldo Pereira Franco

Rogando Paz


Senhor Jesus! 
Tu disseste: "a minha paz vos dou ..." Entretanto, Senhor, muitos de nós andamos distraídos; atribulados, às vezes, por bagatelas; aflitos sem razão; sequiosos de aquisições desnecessárias; irritadiços por dificuldades passageiras; dobrados ao peso de cargas formadas por desilusões e discórdias que nós mesmos inventamos; ocupados em dissenções infelizes; hipnotizados por tristeza e azedume que nos inclinam à separatividade e ao pessimismo... Entendemos, sim, Jesus, que nos disseste: "A minha paz vos dou..." Diante, porém, de nossas inibições e obstáculos, nós te rogamos, por acréscimo de misericórdia: 
Senhor, concedeste-nos a paz, no entanto, ensina-nos a recebé-la. 

Pelo Espírito EMMANUEL 
Psicografia: Francisco Cândido Xavier